A Fundação Fonte Cultural divulgou uma nota de repúdio , lamentando com pesar a invasão terrorista e golpista contra Os Três Poderes a que aconteceu na tarde do último domingo (8), em Brasília.

No ato, foram depredados obras de arte, entre os objetos atingidos está tela ‘Mulatas’, de Di Cavalcanti, furada pelos invasores em seis pontos.  Obras de arte de valor inestimável estavam entre os objetos destruídos por invasores no Palácio do Planalto.

A presidência da República divulgou um primeiro levantamento das obras de arte e objetos do mobiliário do Palácio do Planalto que foram danificados e vandalizados após a invasão terrorista de manifestantes ao local no último domingo (8). A contar pelas pinturas e esculturas que foram totalmente destruídas, o prejuízo supera R$ 8 milhões diante do valor estimado de algumas obras. Ainda assim, a perda histórica e cultural é incalculável.

O diretor de Curadoria dos Palácios Presidenciais, Rogério Carvalho, diz que será possível realizar a recuperação da maioria das obras vandalizadas, mas estima como “muito difícil” a restauração do Relógio de Balthazar Martinot.

O relógio de pêndulo do Século XVII foi um presente da Corte Francesa para Dom João VI. Martinot era o relojoeiro de Luís XIV. Existem apenas dois relógios deste autor. O outro está exposto no Palácio de Versailles, mas possui a metade do tamanho da peça que foi completamente destruída pelos invasores do Planalto. O valor desta peça é considerado fora de padrão.

“Reafirmamos a necessidade urgente de se reprimir tais atos, investigar e punir , de forma alígera, todos os que participaram dos atentados. Lamentamos o ocorrido e reafirmamos também o nosso compromisso com o resgate da cultura, juntamente com o Estado Democrático de Direito e suas garantias” , comentou em nota o presidente da FundaCult, Robson Ouro Preto.